Daniel Gise

Portfolio

By

A evolução do desenho na infância

No livro Desenhando com o lado direito do cérebro, da Betty Edwards, tem um capítulo em que ela fala das etapas do desenvolvimento do desenho na infância. Começando com os rabiscos (testando os materiais e suas possibilidades), passando pelo desenvolvimento da percepção de formas e a formação de um repertório gráfico até chegar em um estágio de mais complexidade. Em geral todos nós nos desenvolvemos no desenho até chegarmos aos 10, 11 anos quando surgem os primeiros bloqueios.

Meu pai guardou muitos desenhos que fiz na infância e foi bem interessante observar essas etapas através deles. A seguir, de forma bem resumida, as etapas, ilustradas com desenhos meus e no final um convite para a 4ª edição da oficina Desbloqueio do Desenho que estou conduzindo junto com a Eliza Mania.

Estágio dos rabiscos

rabiscos

Começa por volta de uma ano e meio de idade. Nós descobrimos a magia de produzir linhas no papel e tínhamos um prazer enorme em simplesmente preenchê-lo com rabiscos de várias cores.

Estágio dos símbolos

Após um período apenas rabiscando fazemos uma descoberta artística importante: descobrimos que símbolos desenhados no papel podem representar coisas que vemos a nossa volta. Com um círculo, dois pontos e um traço na parte de dentro, descobrimos que podemos representar qualquer pessoa. Essa forma é universalmente desenhada pelas crianças.

carinha web

garatuja

Por volta dos 3 anos e meio as imagens ficam mais complexas (refletindo a crescente percepção da criança em relação ao mundo que a cerca). A cabeça passa a ser ligada a um corpo.

Estagio 2a

jabba web

Por volta dos quatro anos as crianças se mostram extremamente cônscias dos detalhes das roupas – botões e zíperes.

agostinho web

Acima: mãos estrategicamente escondidas atrás do corpo revelam a dificuldade de enfrentar o desafio de desenhar mãos. Abaixo uma caricatura do ex-presidente Figueiredo. Um pouco mais de detalhes nas roupas, na cabeça e surgem as mãos.

figueiredo

Paisagens

Por volta dos cinco ou seis anos as crianças desenvolvem um conjunto de símbolos para criar uma paisagem. Betty Edwards cita os elementos mais comuns das paisagens: “Em primeiro lugar, o céu e a terra. Em termos simbólicos a criança sabe que a terra fica embaixo e o céu em cima. Assim a terra fica sendo a margem inferior do papel, enquanto o céu, a margem superior”.

paisagem web

A composição no desenho infantil é muito cuidadosa, cada coisa ocupa o seu devido lugar. Não poderíamos remover nenhum de seus elementos sem causar um desequilíbrio na composição do desenho.

Estágio da complexidade

Aos nove ou dez anos de idade as crianças procuram  acrescentar mais detalhes aos seus desenhos, esperando conseguir mais realismo. A preocupação infantil com “onde as coisas estão” no desenho é substituída pela preocupação com a “aparência das coisas”.

he man

 

top gun

O estágio do realismo

“Por volta dos dez a onze anos, a paixão das crianças pelo realismo está em seu ápice. Quando os desenhos não saem certos, ou seja, quando não parecem realistas, as crianças geralmente desanimam […] acredito que nessa idade as crianças adorem o realismo porque estão aprendendo a ver. Estão dispostas a se dedicar com grande energia e esforço à tarefa, contanto que os resultados sejam animadores”.

Abaixo, um desenho que fiz aos 11 anos tentando atingir o realismo do desenho de Brian Bolland, na história em quadrinhos “A Piada Mortal”, uma HQ clássica do Batman.

coringa

E aqui começa o nosso bloqueio com o desenho: “a partir da nossa infância, aprendemos a ver as coisas em termos de palavras: damos-lhes nomes e ficamos sabendo fatos a seu respeito. O sistema verbal, dominante, não quer informações em demasia sobre as coisas que percebe – apenas o suficiente para reconhecer e categorizar. Isto é um processo necessário e que funciona muito bem para nós quase o tempo todo, permitindo-nos concentrar a nossa atenção. Mas, para desenhar é necessário que você olhe para o que pretende desenhar por um tempo prolongado, percebendo detalhes e a maneira de se encaixarem”.

Precisaríamos de instruções focadas a desenvolver a percepção visual, com exercícios específicos. Mas como a habilidade do desenho não é (até o momento) considerado uma habilidade essencial para a nossa sobrevivência como adultos, essa habilidade é negligenciada. As crianças se sentem frustradas com seus esforços e terminam abandonando o desenho por se sentirem incapazes de seguir se desenvolvendo.

Se você se interessa em desenvolver essa habilidade, venha fazer a oficina Desbloqueio do Desenho! Veja mais informações e faça inscrição pelo Cinese.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *